Constantino y o Concílio de Nicéa

Como disse, a igreja ao princípio do quarto século tinha muita contenção e divisão sobre pontos doutrinais. A contenção mais apaixonada tinha do que ver com a origem e a natureza do Filho de Deus. A controvérsia começou com uma pergunta hipotética que Alejandro, bispo de Alexandria, fez aos anciãos de sua congregação. Arrio, um dos anciãos, expressou-se de maneira pouco ortodoxa, e cedo Alejandro e Arrio se travaram numa disputa acalorada. Muito cedo a congregação inteira se envolveu em sua disputa, e com o tempo muitas outras congregações se envolveram também.

Constantino começou a preocupar-se de que esta divisão na igreja causasse que Deus deixasse de abençoar ao império romano.Quando os métodos antigos da igreja primitiva não puderam resolver o problema, Constantino sugeriu um novo método: um concílio da igreja ao qual assistiriam representantes de todas as igrejas de todo mundo. Bem que tinha outras reuniões em tempos anteriores de representantes de várias igrejas, mas ditas reuniões sempre tinham incluído só representantes das igrejas de certa localidade. A idéia de ter um concílio de representantes das igrejas de todo mundo era nova e excitante.

Todos os representantes das igrejas viajaram a Nicea, o lugar escolhido para o concílio, no país moderno de Turquia. O governo pagou os gastos da viagem para todos. O governo também pagou a hospedagem e a comida dos representantes uma vez que tinham chegado a Nicea. Até proveu diversões para eles, tudo pago. O mesmo imperador Constantino servia como presidente do concílio, dirigindo as discussões. Durante os dois meses que durou o concílio, os representantes das igrejas ficaram impressionados por sua habilidade como líder. Constantino persuadiu ao concílio que fizesse um credo para toda a igreja, o qual definiria a relação de Deus o Pai e Deus o Filho. Esta também era idéia nova, já que em tempos anteriores cada congregação tinha seu próprio credo.

O mesmo Constantino propôs os termos que usariam no novo credo universal. Para excluir a doutrina de Arrio,Constantino fez questão de que a palavra grega homoousios se empregasse para descrever a relação de Jesus com seu Pai. Esta palavra usualmente se traduz ao espanhol com a frase, “sendo da mesma substância”. Da maneira em que se usava no concílio de Nicea, homoousios não contradizia em nada as crenças dos primeiros cristãos. No entanto, esta palavra não aparece nas Escritura se nunca se tinha usado antes nos credos das congregações

Não obstante, sob a pressão dos argumentos de Constantino,quase todos os representantes da igreja no concílio de Nicea assinaram o documento novo... todos menos cinco. Constantino então desterrou aos cinco que recusaram assinar, um dos quais foi Arrio.1 Logo Constantino fez uma proclamação: “Se algum tratado escrito por Arrio se descobre, que seja jogado ao fogo, para que não só sua doutrina depravada seja suprimida, senão bem mais do que não fique dele memória alguma. Portanto,decreto que o que tivesse um livro escrito por Arrio, se não o entrega agora de imediato, quando for achado, será castigado com a pena de morte.”2.

Constantino também instou que o concílio de Nicea tomasse outras medidas para prevenir que surgissem desacordos e divisões na igreja. O cria que a igreja seria mais forte se organizasse da maneira que o governo romano estava organizado. Por isso, o concílio fixou leis que deu autoridade a certos bispos, chamados metropolitanos, sobre outras igrejas. Por exemplo ao bispo de Alexandria lhe foi dada autoridade sobre todas as congregações de Egito e Líbia. Ademais, o concílio decretou que nenhum bispo novo podia ser nomeado sem a aprovação do metropolitano.

Muitos dos metropolitanos eram os bispos das igrejas onde os apóstolos tinham ensinado pessoalmente fazia muitos anos. Por isto, podemos dizer que esta nova lei se assemelhou à prática primitiva de referir os problemas que surgiam aos anciãos das igrejas apostólicas. No entanto, a prática da igreja primitiva se tinha baseado na crença que estas igrejas estavam mais próximas à autoridade apostólica. A prática nova se baseava numa nova crença: que os bispos atuais destas igrejas tinham autoridade direta de Deus, sim, revelação atual. Já que se cria que a autoridade dos metropolitanos vinha direta de Deus, a submissão a eles não se deixava à vontade de cada congregação.3 Desta maneira, o concílio de Nicea destruiu a prática original dos primeiros cristãos, prática que tinha servido como muro de proteção à igreja primitiva.

Mas nem com isso terminou o concílio de Nicea. Fizeram-se mais leis com o propósito de estabelecer uniformidade em todas as igrejas. Por exemplo, o concílio decretou que todos os cristãos deviam orar só de pé os domingos e durante os 50 dias entre o domingo da ressurreição e o domingo da ascensão.4 Desta maneira o ocorrido em Nicea destruiu a independência de cada congregação de crentes. Agora, as mudanças de teologia e qualquer inovação não teriam que se disseminar lentamente de uma congregação a outra. Um concílio de toda a igreja podia conseguir em poucos dias o que antes não se tivesse conseguido através de séculos

Como ponto final, Constantino proclamou que o novo credo de Nicea era inspirado por Deus. O disse: “O que se recomendou ao juízo de trezentos bispos não pode ser senão a doutrina de Deus já que o Espírito Santo quem amora nas mentes de todos estes homens formais os alumiou eficazmente com respeito à vontade divina”.5 Outro cristão do século quarto o expressou da seguinte maneira: “Ainda se todos os membros do concílio tivessem sido laicos, sendo alumiados por Deus e pela graça do Espírito Santo, não tivessem podido errar de jeito nenhum.”6Com isto, vemos que a convicção de que Deus não daria nenhuma nova revelação depois dos apóstolos se tinha destruído.

Os efeitos de Nicea sobre os primeiros cristãos

Desde o ponto de vista humano, pareceria que Constantino conseguiu algo maravilhoso. Jamais deveria de romper-se a igreja por controvérsias doutrinais e práticas de divisão . Os representantes das igrejas se alegrou do que tinham conseguido.

Mas seu regozijo não durou muito. Trezentos anos de conservadorismo estrito não podia desfazer-se tão rápido. Quando os bispos voltaram a suas congregações, e as congregações pensaram no credo e os decretos de Nicea, uma reação conservadora surgiu. Por causa desta oposição, Eusébio se viu obrigado a defender-se ante sua congregação. Tinha que explicar por que ele tinha assinado o credo.7 Os conservadores ainda criam que qualquer mudança os envolveria no erro, eles desagradou que o credo de Nicea empregasse termos que não se encontravam nas Escrituras. Também não lhes agradou que ficassem excluídos os credos locais que se tinham usado através de vários séculos. Finalmente, quando vários hereges se esconderam depois do credo de Nicea para poder propagar suas doutrinas errôneas,os conservadores começaram a insistir que se aclarasse e se engrandecesse o credo para explicar com mais precisão o que os cristãos tinham crido desde tempos antigos.

É possível que esta reação tivesse tido sucesso em parar a fonte de mudança que ameaçava à igreja, se não tivesse sido pela persistência e a habilidade de um homem: Atanásio. Este tinha sido diácono na igreja de Alexandria quando surgiu a controvérsia de Arrio. Ainda que diácono, tinha assistido ao concílio de Nicea, mas não tinha tido nenhum papel importante nele. O credo de Nicea tinha a intenção de preservar o que a igreja sempre tinha ensinado a respeito de Jesus Cristo, e a intenção de Atanásio não era senão apoiar a teologia ortodoxa dos cristãos primitivos. No entanto, com o correr dos anos, a necessidade de apoiar o credo de Nicea se fez mais importante a Atanásio do que o apoiar a doutrina dos primeiros cristãos. Apoderou-se dele a idéia de do que o credo não podia ser mudado de jeito nenhum—sem importar-lhe do que as alterações fossem ortodoxas ou não o fossem.O cria que o credo tinha sido inspirado por Deus, o mesmo que as Escrituras. Ainda que ao princípio defendeu a doutrina ortodoxa dos primeiros cristãos a respeito de Cristo, ao fim contradisse o que uma vez tinha defendido. Mas ainda assim, ganhou o apoio de quase toda a igreja.

Os primeiros cristãos vencidos por credos—e mais credos

O concílio de Nicea não conseguiu unir à igreja como tinha esperado Constantino. Em verdade, tinha mais divisões e mais contenções depois de Nicea do que antes. Os dois séculos depois da conversão de Constantino se caracterizaram pelos argumentos teológicos sem fim, pelas rinhas constantes, e as grandes divisões na igreja. Nesta época, os cristãos tomaram a espada e começaram a matar-se os uns aos outros por causa das disputas teológicas. Com a estrutura do cristianismo rompendo-se e destruindo-se, a ênfase seguiu mudando da vida cristã à doutrina cristã.

Destas disputas saíam grandes teólogos de grande proeminência,quem ao fim chegaram a ser os verdadeiros “pais” da teologia cristã. Teve outros concílios, e mais credos. Os argumentos se centravam primeiro em Jesus, depois no Espírito Santo, e depois em Jesus outra vez. Com o passo dos anos, mais e mais pessoas afirmavam ter tido novas revelações de Deus. Gregório de Nacianzo, um dos líderes nos debates sobre o Espírito Santo, declarou: “O Antigo Testamento proclamava ao Pai abertamente e ao Filho escuramente. O Novo [Testamento]manifestava ao Filho e sugeria a deidade do Espírito Santo. Agora o mesmo Espírito moura entre nós e nos provê de uma demonstração mais clara de si mesmo. Porque quando a deidade do Pai ainda não se tinha reconhecido, era perigoso proclamar a deidade do Filho. E quando [a deidade] do Filho ainda não se tinha recebido, [era perigoso] impor-nos o ônus (se me permitem usar tal expressão atrevida) com o Espírito Santo.”8.

A teologia singela e flexível da igreja primitiva se substituiu por credos rígidos e dogmáticos. Ao fim, estes credos substituíram muitas vezes às Escrituras como a autoridade que governava a igreja. Com cada concílio que se celebrava, mais terminologia que não tinha base nas Escrituras se adicionava à dogma da igreja. Em cada caso, o propósito dos credos era singelamente repetir e reafirmar o que a igreja sempre tinha ensinado. Mas afinal de contas, os credos contribuíram à contaminação da doutrina cristã autêntica.

Temos um exemplo notável disso no credo escrito pelo concílio de Calcedonia, em 451 d.C. Este credo faz a declaração que Jesus foi “nascido da virgem Maria, a mãe de Deus.9 Ao dizer assim, os que escreveram este credo não tinham nenhuma intenção de deificar a Maria ou de venerá-la. A frase,“mãe de Deus”, adicionou-se para opor-se ao falso ensino de que Maria tinha dado a luz a um que não era mais do que humano, e obre quem a vida de Deus desceu depois. Em outras palavras,o credo singelamente afirmava que o ser na matriz de Maria era o verdadeiro Filho de Deus. Como no caso do credo de Nicea, a intenção do credo de Calcedonia era apoiar a doutrina ortodoxa, mas as interpretações que se deram a esse credo depois não foram ortodoxas.

Podemos dizer, pois, que Atanásio, Gregório de Nacianzo, e os grandes concílios da igreja não mudaram radicalmente a doutrina cristã. Eles singelamente prepararam um fundamento que depois podia ser usado por alguém para fazer essas mudanças.No último quarto do século quatro, surgiu tal pessoa. Este maestro chegou a ser o maestro cristão com maior influência que tenha nascido... sim, sua influência chegou a ser maior do que a dos mesmos apóstolos.

  • Voltar ao índice